Wednesday, July 25, 2012

20 Anos

Luzes.
Certeiro como um tiro,
devagar, retilíneo,
em memória de todos
que não sabem para onde ir.

E os anos nunca passam devagar.

Tuesday, December 20, 2011

No Escuro

Devagar,
Assumidamente lento
Sigo em meu passo curto,
Para um dia chegar mais perto
Disso que chamam de luz,
Claridade.

Wednesday, December 29, 2010

Cinzas são cinzas
e o que é carne
me dói muito mais.
Não perdôo o carteiro
por atrasar Sua palavra,
mas revogo a punição
do tiro dado em meu peito.

Não me preocupo
com a dor já passada
mas condeno o perigo
do corpo às margens
d'um rio que não podes nadar.

Não preocupo-me com cinzas:
misturo-me às horas,
aos segundos,
aos ais,
mas dou um beijo em sua ferida.

Thursday, December 02, 2010

Desisto.
Longe o suficiente para meu braço
fraco e atrofiado não alcançar,
e perto o suficiente
para me fazer olhar meus sapatos.

Desisto devagar e
com a voz decidida para parecer homem sério;
- Merda... -
Falo sem perceber
e me rendo como um menino,
agradecendo aos sapatos por estarem lá.

Desisto...

Thursday, November 04, 2010

Acordou e ao tentar levantar-se
sentiu o chão gelado em seus pés descalços
e correu até a cozinha, onde bebeu água,
fez o café mais forte que o normal,
comeu um pão com manteiga
e tomou o café.
Não foi trabalhar.
Tirou sua roupa e sentou-se nu
com um cigarro entre os dedos.
Sentiu calor, e abriu a janela.
Cospiu, escalou-a e sentou-se com as pernas para fora.
Ouviu gritos de desespero e de medo.
Lembrou-se da ausência de roupa, mas não se importou;
acendeu outro cigarro e assim permaneceu por muito tempo.

Saturday, September 25, 2010

Às manhãs lentas e amáveis
eu dedico meus braços,
minhas pernas,
meu olhar perdido
e exausto.

Qual direção?
Qual direção?
Qual direção?
Ostracismo.

Friday, September 10, 2010

Em meio ao prado
de braços abertos
esperando o vento,
o ataque, o beijo.

E os mil cavalos
passam rápido
abrindo a janela.
O limiar.